Pauliteiros de Miranda


As famosas danças dos Pauliteiros de Miranda são uma vaga reminiscência das danças pírricas dos guerreiros da Grécia antiga.

Imprevista, variada e colorida, a coreografia exige grande destreza dos dançarinos.

É, na verdade, uma dança essencialmente guerreira e a sua origem não é certamente nova. Ela é tão velha como o Homem na Península Ibérica.

Em mangas de camisa oito homens rudes trazem flores nos chapéus de largas abas, nas costas e nos ombros, encanastrados, fitas de várias cores berrantes. Cada uma representa uma flôr: a vermelha, uma rosa, a azul, uma violeta, a branca, uma açucena e a amarela representa o rei.

Em cada mão um pau grosso como cabo de martelo, curto como batuta.

Avançam, como se caminhassem em campo vasto, à frente de um exército e a dança rompe num arranco de corações em fogo.

O Grupo de Pauliteiros de Miranda do Orfeão foi criado em 1955.