Cantares e Dançares dos Açores

Sabemos que, desde o povoamento destas ilhas de encanto, alguma coisa de belo serviu de passatempo recreativo ao povo que principiou habitá-las. Noutros tempos as diversões populares limitavam-se ao jogo do bilro, do dominó e aos jogos de cartas. Mas uma nova diversão - o balho - quando surgia, punha logo todas as outras de parte. Toda a gente se sentia atraida pelos balhos. E já se previa o jeito que dava umas voltinhas no Pézinho ou na Bela Aurora, ou pelo menos, se ouviria o costumado despique, ou ainda o gracejo de algum espirituoso cantador!

A viola da Terra era a companhia mais íntima dos ranchos que se deslocavam a lugares distantes onde quer que houvesse festa rija. A sua presença, em qualquer parte provocava reunião: uns levantavam a voz enquanto os outros volteiam frente a frente ou em volta, e eis o balho nas casas do mordomo do Menino Jesus, do imperador do Espírito Santo e nas matanças do porco.

O Grupo de Danças e Cantares dos Açores do OUP foi criado em 1972.